segunda-feira, 22 de abril de 2013

Com uma autoestima boa, tudo fica mais fácil







Tem horas que tudo parece dar certo na vida. Mas tem horas, que nada sai como a gente planeja. As vezes, pode ser rotina, falta de tato de nós mesmos, ou, então, influências de uma autoestima não compatível com as nossas necessidades. Ela, a autoestima, é fundamental para a realização das tarefas do dia-a-dia. Sem ela, nada dá certo, ou tudo fica incompleto. Seus efeito interferem no trabalho, nos relacionamentos, na confiança, enfim, em tudo.

Entende-se por autoestima, a opinião que cada pessoa tem de si mesma. E a auto estima precisa ser equilibrada, com o lado emocional e físico. Algumas pessoas gostam do seu jeito de ser, mas mudam devido a seu corpo. Não tem confiança para o flerte, para o esporte com os amigos, etc.

A baixaestima precisa ser, primeiro identificada. São sentimentos que não saem da cabeça, como: insegurança, inadequação, perfeccionismo, dúvidas constantes, sentimento vago de não ser capaz de realizar nada, não se permite errar, necessidade de agradar, aprovação e reconhecimento.

Esses sentimentos vão surgindo e baixando a autoestima. Eles são causados por: críticas e autocríticas, culpa, abandono, rejeição, carência, frustração, vergonha, inveja, timidez, insegurança, medo, humilhação, raiva e, principalmente: perdas e dependência (financeira e emocional)

Sabe-se que a autoestima de uma pessoa começa a se formar na infância, por ela estar relacionada a valores. Quando nos são ensinados valores falsos, ou “desvalores”, nossa autoestima fica confusa.



E, apesar de começar ainda na infância, um quadro negativo de autoestima não é irreversível. Anote essas dicas: tenha autoconhecimento, mantenha-se em forma física (gostar da imagem refletida no espelho), identifique as qualidades e não só os defeitos, aprenda com a experiência passada, trate-se com amor e carinho, ouça a intuição (o que aumenta a autoconfiança), mantenha diálogo interno, acredite que merece ser amado(a) e é especial, faça todo dia algo que o deixe feliz.

Com isso, você terá: mais à vontade em oferecer e receber elogios, expressões de afeto,
sentimentos de ansiedade e insegurança diminuem, harmonia entre o que sente e o que diz,
necessidade de aprovação diminui, maior flexibilidade aos fatos, autoconfiança elevada,
amor-próprio aumenta, satisfação pessoal, maior desempenho profissional, relações saudáveis e paz interior.

Mas cá entre nós, não sou psicólogo. Sou educador físico. Apenas me informei a respeito para tentar lhes ajudar. Aceite-se como você é, mas busque sempre a saúde. Esse é o maior bem de um ser humano. Comece uma dieta balanceada, consuma alimentos saudáveis, inicie a prática de exercícios físicos e veja como sua vida vai mudar para melhor e, consequentemente, levar a a sua autoestima lá em cima. Alimentação saudável + prática regular de exercícios = autoestima elevada. Essa é minha grande dica.

Dicas de Leandro Dal Pont, baseadas no texto de Rosemeire Zago, psicóloga clínica especialização em psicossomática.

Vídeo com dicas para combate a baixaestima.

Receba por e-mail