quarta-feira, 27 de março de 2013

Emagrecedores a base de sibutramina devem ficar no mercado





Monitoramento dos riscos do produto foi feito e sibutramina vai poder continuar sendo vendida normalmente


Foi um período de mais de um ano de debates acerca dos riscos da sibutramina. No entanto agora, restrições impedem alguns descasos com a compra. Ela só pode ser vendida por receita, que tem validade reduzida de 60 dias para 30.


Para que chegassem a liberação, foi desenvolvida uma pesquisa de com cerca de 10 mil pessoas em 16 países durante seis anos. As pesquisas terminaram em 2009. Segundo o laudo, o medicamento aumentaria em 16% o risco de doenças cardiovasculares em pacientes com histórico prévio.

Recentemente, as receitas de sibutramina só cresceram, talvez pela razão da diminuição do prazo de validade.

Segundo o farmacêutico Ivan da Gama Teixeira, diretor técnico e vice-presidente da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), “a substância surgiu como um antidepressivo. Viram que a diminuição do apetite era um efeito colateral e o remédio passou a ser usado como emagrecedor”, explicou.

No entanto, ela atua mesmo aumentando a sensação de saciedade. O indivíduo come menos e se sente satisfeito. Está aí o segredo.

Segundo os especialistas, o medicamento age sobre dois neuro transmissores: a serotonina e a noradrenalina. Esses neurotransmissores funcionam entre os neurônios, levando informações de um para o outro. Nesse processo, geram a sensação de saciedade.



Efeitos colaterais

Os especialistas ainda estudam os efeitos colaterais e nenhuma pesquisa é conclusiva. As únicas constatações são boca seca, taquicardia e insônia.

Fonte: Bem Estar

Receba por e-mail